Exame Andrológico e IATF

A inseminação artificial em tempo fixo, IATF serve para diminuir os prejuízos da inseminação artificial, garantindo maiores resultados para veterinários, pecuaristas e proprietários. Ressaltando que essa técnica, deve ser feita por médico veterinário especializado e é de forma assistida. Já o exame andrológico é realizado para diminuir as causas de infertilidades em touros, podendo ser de forma genética ou temporária. Garantindo um tratamento e não o descarte total dos machos.

Muller Carrara Martins, Médico Veterinário (UFU),doutorando em Biotecnologia e eficiência reprodutiva, membro da MCM biotecnologia da reprodução e professor de reprodução animal.

– Quais são as vantagens para o pecuarista em realizar a IATF?

A IATF apresenta vantagens diretas e indiretas aos pecuaristas, de forma direta podemos destacar a sincronização de partos e consequentemente desmama dos bezerros, fato que facilita o manejo da propriedade, homogeneidade de lotes, incremento genético ao rebanho entre outros. De forma indireta observamos uma facilidade de identificação de animais inférteis ou subférteis, aceleramento do retorno a ciclicidade, principalmente em anestro pós-parto, escolha de melhores períodos do ano para o nascimento e desmama dos bezerros.

– Como é feita etapa para selecionar as vacas que participaram da IATF?

Em cada propriedade atendida o projeto tem suas peculiaridades, mas na grande maioria o objetivo é atingir o máximo de animais possível, para isso selecionamos animais com pelo menos 30 dias pós parto, com escore de condição corporal de no mínimo 2 ( em uma escala de 1-5), ausente de patologias uterinas e ovarianas e livre de doenças. Assim no primeiro dia de protocolo (D0) é realizada uma avaliação individual com auxilio de ultrassonografia em todos os animais.

– Exista algum dano ao animal ao utilizar essa técnica?

Não, todos os hormônios utilizados são análogos de substancias produzidas pelos animais. Assim talvez o único dano seja estresse gerado durante a realizado do procedimento, algo que a cada dia vem sendo melhorado por manejos mais eficientes.

– Nas fazendas onde o Sr. vem atuando, como é realizado o manejo desses animais?

A grande maioria das fazendas atendidas o manejo é muito eficiente, na estação de 2019/2020 por exemplo não tivemos nenhum acidente com animais. Isso acontece graças a diversos treinamentos que realizamos com a equipe antes de iniciar as atividades, onde definimos as atividades de cada membro da equipe e deixamos claro a importância de realizarmos o serviço com calma e a máxima segurança.

– Qual a importância econômica para o pecuarista em realizar a IATF?

Sem duvidas nenhuma a IATF é economicamente viável, o processo se paga com muita facilidade, somente com o fato do incremento genético gerado nos bezerros, a homogeneidade de lotes e o descarte de animais improdutivos é o suficiente para termos um saldo positivo com o uso da IATF.

– Como é feito o exame andrológico nos animais? Se der baixo o índice, há o descarte instantâneo dos touros?

O andrológico é um exame realizados nos machos, onde é feita uma anamnese no animal, exame clinico e análise dos espermatozoides (concentração, vigor, turbilhonamento, motilidade e patologias espermáticas). O diagnostico é variável, podemos considerar o animal apto ou inapto, porem quando inapto, normalmente realizamos um segundo exame com intervalo de 60 dias, período similar ao da  espermatogênese( produção do espermatozoide), isso é feito pois sabemos que algumas patologias geram quadros de subfertilidade, normalmente temporária e o animal pode voltar a ser apto a realização da monta. Dessa forma devemos observar a pressão de seleção para realizar o descarte dos animais.

– Qual a importância econômica para o produtor ao realizar esse teste nos machos?

O exame andrológico não é utilizado com grande frequência nas propriedades brasileiras, acredito que isso acontece pois os produtores têm muita dificuldade de identificar falhas na reprodução dos machos. Sabemos que a infertilidade (nenhuma capacidade reprodutiva) é facilmente identificada em touros, porem a subfertilidade (capacidade reduzida de fecundação) e de difícil identificação e sem dúvidas esse fato gera muitos prejuízos para a fazenda. Assim o andrológico é muito importante para diagnosticarmos quadros de subfertilidade, melhorando os índices reprodutivos e consequentemente aumento a receita da fazenda.  

Com qual frequência devemos repetir o exame?

A realização dos exames vai depender da utilização do animal. Em fazendas de corte recomendamos no mínimo um exame antes do inicio da estação de monta. Já em fazendas leiteiras recomendamos no mínimo dois exames por ano quando não temos nenhuma suspeita nos animais, e exames a cada 60 dias quando identificamos alguma anormalidade nos índices reprodutivos da propriedade.

Muller termina a sua entrevista dizendo – O mercado é cada vez mais exigente, e somente os produtores mais capacitados conseguem sobreviver na atividade, assim as biotecnologias devem ser utilizadas para ajudar na melhora dos índices zootécnicos, visando sempre um crescimento consciente, com uma mão de obra qualificada e atentando ao bem-estar animal.

Sobre qualquer pergunta ou interesse, podem entrar em contato pelo e-mail – mcmreproducao@gmail.com ou pelo telefone (034) 99668-9114.

The following two tabs change content below.

Victoria Hueb

Graduanda em Medicina Veterinaria pela Universidade Federal de Uberlândia. Nascida e criada por pecuaristas da região de Uberaba e Campo Florido. Apaixonada por cavalos e seus esportes!

Latest posts by Victoria Hueb (see all)

Compartilhe: